2008-10-15

Acabar com a subserviência

Depois da apresentação do Orçamento de Estado 2009, com o maior aumento de salários da função pública desde o ano 2001, cabe-me dizer que em Portugal só vale a pena ser funcionário público.

Porque as empresas e profissionais suportam diariamente a profunda ilegalidade dos pagamentos por conta e IVA adiantado ao Estado. O Estado recebe dinheiro que as empresas não têm, as empresas têm que se endividar junto da banca enquanto esperam os pagamentos de clientes (em especial do próprio Estado!). Por sua vez, toda a gente paga juros ao Estado quando se atrasa mas este não paga juros sobre o dinheiro que recebe adiantado, inclusivé dinheiro que tem que devolver, nem paga pelo serviço de cobrança de impostos que as empresas lhe prestam em permanência.

Tudo isto, junto com a exploração bancária, cria um ambiente de crescente hostilidade em torno do cidadão. É preciso levantar vozes fortes contra esta situação e vencer a subserviência em que este país se encontra afundado. A classe média - classe trabalhadora que suporta as ajudas sociais aos desfavorecidos -, está moribunda.

O Estado chico-esperto esbanjador e preocupado com as suas próprias contas - e os seus amigos da banca - não têm sido pessoas de bem. A reforma da Justiça não tem efeitos e os tribunais continuam entupidos. Muitos já fizeram as malas para sair do país e outros estão a tratar disso. Mas um dia o Estado vai ter que pagar os juros.

Sem comentários:

Enviar um comentário